Aumento das vendas online

O Brasil teve um aumento médio de 400% no número de lojas onlines por mês durante quarentena.

Com comércios trabalhando em tempo reduzido ou totalmente fechados por causa da quarentena de combate ao coronavírus,na qual impede a população de manter os hábitos de consumo, o setor de comércio digital vem percebendo um aumento e uma variação cada vez maior no fluxo de vendas online.

Quer entender mais sobre como esse aumento impactou e irá impactar ainda mais o mercado varejista? 

O aumento da quantidade de comércios online

Segundo dados da ABComm, até o começo das ações para conter o coronavírus no País, no início da segunda quinzena de março, a média era de 10 mil aberturas de comércios online por mês. O número saltou para 50 mil mensais logo após os decretos de isolamento social.

O levantamento indicou que mais de 100 mil lojas já aderiram às vendas pela internet e os setores que estão em alta são os da moda, alimentos e serviços.

A ABComm e a Konduto registraram também, um aumento de 40% no número de vendas on-line e os seis setores que mais cresceram são:

Calçados (99,44%), Bebidas (78,90%), Eletrodomésticos (49,29%), Autopeças (44,64%), Supermercado (38,92%), Artigos Esportivos (25,75%), Móveis e Decoração (23,61%) e Moda (18,38%).

Alguns setores registraram um crescimento de três dígitos na comparação anual, de acordo com uma análise da ACI Worldwide. Segundo o levantamento, o crescimento geral das transações de varejo foi de 81% em maio, em comparação com o mesmo período do ano passado.

Surgimento do interesse por novos produtos

Como revela André Dias, diretor executivo da Compre&Confie, empresa que monitora vendas de mais de 80% do varejo digital brasileiro, o crescimento nas vendas online aumentou puxado por produtos que não eram muito comercializados via e-commerce. 

Historicamente o consumo no e-commerce brasileiro é focado em bens duráveis, como telefonia, eletrodomésticos, moda e acessórios."Com esse movimento de quarentena as pessoas viram a necessidade de começar a consumir bens não duráveis",afirma André. 

Além disso, também houve a entrada de novos consumidores ou de light users (consumidores que não têm tanta recorrência de compra), por causa da dificuldade de sair de casa.

Existe bastante espaço para o comércio eletrônico se expandir. Os consumidores devem ganhar cada vez mais confiança nos próximos anos e, com o aumento da oferta de produtos de bens não duráveis, a frequência das vendas online deve aumentar cada vez mais.

De acordo com Dias, neste momento o crescimento do e-commerce tem sido bem satisfatório e, para muitos varejistas o único caminho para continuar vendendo em período de lockdown é online. 

A relevância do setor de transportes

"Se a logística para, para tudo", avisa Stefan Rehm, CEO da Intelipost, plataforma de gestão de fretes. "Ela é mais importante do que nunca para o varejo, porque a maioria dos varejistas já tem uma queda de 90% da receita deles, e a única coisa que conseguem faturar é através das vendas online".

De acordo com estudo promovido com varejistas pela Intelipost, a média de aumento nas categorias essenciais de consumo (alimentos, saúde, higiene, farmácia e pet) registraram aumento médio de 10 a 15% nas últimas semanas, enquanto categorias não-essenciais tiveram queda de 20 a 30% no número de vendas online.

Quer saber mais sobre como melhorar a experiência de compra do cliente? Leia nosso artigo sobre.

Para montar uma empresa de sucesso é preciso levar em conta diversos fatores. O que determinará a entrada de um empreendedor no mercado vai desde a qualidade do produto oferecido, bom atendimento e até o momento em que o produto chega às mãos do consumidor. Este último tem tanto peso para determinar se aquele cliente voltará a comprar no empreendimento, quanto o preço e a qualidade do produto em si.

Já o mesmo levantamento feito com transportadoras aponta aumento de até 10% nas entregas conforme o varejista - entregas está em situação normal de cumprimento e sem grandes alterações de prazos. 

Como há menos movimentação nas ruas e os consumidores estão em casa, as entregas ocorrem mais rapidamente. A pesquisa também notou que há motoristas de aplicativos de carros que deixaram de atuar temporariamente com essa opção para realizar entregas.

O impacto das vendas online em cada setor

Como revela a pesquisa da ACI,o aumento no volume de transações de comércio eletrônico reflete mais um mês inteiro de amplas restrições relacionadas ao COVID-19, com os consumidores optando por canais digitais e ações de vendas online com coleta em lojas físicas.

No entanto, o levantamento aponta que o alívio das restrições de bloqueio em muitos países se reflete em certos setores que até agora experimentaram o maior impulso. As compras de jogos aumentaram 126% em relação ao ano anterior em abril, contra 84% em maio, enquanto os eletrônicos aumentaram apenas 32% no mês passado, depois de terem aumentado mais de 55% em abril deste ano.

Os setores mais impactados negativamente apresentaram uma leve recuperação em maio; viagens caíram 91% em abril, enquanto em maio melhoraram ligeiramente para 73%, abaixo do mesmo período do ano passado.

Cuidados que as empresas precisam tomar

A empresa da Universal Payments por trás dos pagamentos eletrônicos de mais de 6.000 organizações ao redor do mundo, ACI Worldwide, alerta sobre os crimes pela internet. A taxa de tentativas de fraude em abril alcançou 4,3% em abril no mundo, um pouco abaixo da taxa de 5,3% em março, mas ainda assim acima dos 3,8% na comparação com o mesmo mês do ano passado.

Por isso, sugere a companhia, é importante monitorar os sistemas e atualizá-los conforme as necessidades. “Ferramentas de inteligência de negócios e de monitoramento ajudam a tomar decisões e dar respostas imediatamente. Adote uma postura de acesso rápido a informações sobre fraude para reportar imediatamente aos funcionários mudanças nos procedimentos de segurança.”

A Mercadapp e o atual cenário do aumento de vendas online:

Segundo Thiago Sena, gerente de Vendas e Marketing da Mercadapp, empresa de solução de vendas online para os supermercados, muitos dos clientes da empresa - seja pequenas ou médias redes de supermercados ou mesmo supermercados de bairro - já alcançaram um percentual em torno de 3% de presença das vendas online em seu faturamento e caminhavam com uma projeção para chegar aos 7% até o final desde ano.

“Verificamos um crescimento nestes percentuais e também no faturamento como um todo.  Hoje temos supermercados que registraram um aumento de até 25% em seu faturamento por meio da nossa solução e conquistaram mais clientes, que nunca tinham sequer ido na loja física, e, com isso conseguiram chegar a números de até 1 milhão de reais em vendas online por mês”, diz Sena.

“Nós, da Mercadapp, percebemos que as vendas online continuam crescente e a nossa missão é fazer com que ela fosse mais diluída e que os supermercados fossem adaptando as suas rotinas de e-commerce para conseguir entregar, mantendo a pontualidade e a qualidade em todos os pedidos. Estamos evoluindo na qualidade dos nossos serviços e na tecnologia para acompanhar o aumento nas compras on-line, e para que as lojas e os lojistas como um todo consigam reter todo esse volume de crescimento também após a pandemia seguindo as previsões de mercado”, reforça Thiago.

Quer saber como criar seu supermercado online? Garanta já o nosso e-book!

E vem garantir o seu supermercado online!